sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Você já comeu Maniçoba?

Já falamos aqui sobre a variedade de termos culinários no Brasil em função de sua grandeza. Dependendo de onde você está lendo este artigo, a maniçoba pode ser algo totalmente novo para seus ouvidos e muito mais para seu paladar.
Mas para quem vive no Norte do Brasil não é não, ela é a famosa Feijoada Paraense, um prato feito a partir das folhas da “mandioca brava” ou maniva, cozida por sete dias e acrescida de carne de porco, carne-seca e paio.

Em Belém do Pará a maniçoba é uma tradição no almoço do Círio de Nazaré,  uma das maiores procissões católicas do Brasil e do mundo, com aproximadamente  dois milhões de romeiros por ano em caminhada em homenagem a Nossa Senhora de Nazaré, mãe de Jesus. 

Na natureza, por ser muito saborosa, a maniva é bastante procurada pelos animais em pastejo, que a consomem com avidez. A planta também oferece alto teor de proteína bruta e também boa digestibilidade.

De origem indígena o prato leva 7 dias para cozinhar pois a maniva (folha da mandioca) é venenosa (acido cianídrico ) e assim evita-se intoxicações. Tira-se os talos e limpa-se as folhas, que é  moída até atingir o ponto ideal ensinado de geração em geração.
Com bastante água e toicinho cru, o caldeirão vai ao fogo, sendo mexido por período, manhã, tarde, e noite, até que o caldo fique negro e encorpado. Deve-se completar a água de um dia para o outro e deixar o fogo o mais baixo possível.
Quase no final do processo, lá pelo 6º dia incorpora-se as carnes, já dessalgadas: mocotós, bucho, orelhas, rabos de porco, carne-seca, costelas, paios e chouriços. Pimenta-do-reino a gosto e alhos esmagados dão acabamento ao caldeirão de sabores.

E como fica o sabor deste prato que, a primeira vista, causa estranhamento pelo visual verde-negro da mistura de folhas e carnes de porco e vaca?
Quem supera o choque visual e não resiste ao delicioso aroma que se desprende do caldeirão comprova que a maniçoba é muito saborosa, e ainda melhor, se acompanhada de arroz branco, pimenta e farinha. Com certeza um prato inigualável no sabor e na aparência.

A maniçoba, na Bahia, também é servida durante eventos comemorativos, como festa de São João da Feira do Porto, e feiras livres, em forma de bolos ou em refeições tipo "prato feito". Histórias e lendas são contadas sobre o prato pelas pessoas mais antigas. Uns dizem que quem comer tem que descansar, pois é uma comida perigosa, ter repouso total, pois corre risco de morrer.

Lendas que temperam ainda mais este tradicional prato brasileiro.


Assista a um vídeo sobre a Maniçoba. Fonte: Globo Rural.


Escrito por Marceno Braga

4 comentários:

  1. Adorei esse texto, gosto muito de ficar por dentro da culinária de outros países, estados e afins. É sempre gratificante sabermos coisas das quais sempre temos a aprender. Bjos ótimo domingo

    ResponderExcluir
  2. Eu já comi sim, o aspecto é estranho mas é muito saboroso. Assim que mudei para Manaus, recebi o convite de um casal de amigos e fui conferir.
    Vale a pena experimentar!

    ResponderExcluir
  3. acabei de ganhar o sorteio no blog da vovó Cristina e vim conhecer vocês, estou adorando tudo por aqui!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Colocar partes de porco, pimenta-do-reino e alho é demais. Sou paraense, e para a maniçoba, basta toicinho defumado, charque e paio. Mas há quem goste de colocar essas coisas, mas completamente desnecessárias.
    E a título de curiosidade, a maniçoba baiana fica pronta no mesmo dia, pois eles usam a folha da macaxeira, que não é venenosa.

    ResponderExcluir